Entenda agora como fazer o descarte adequado de EPIs

4 minutos para ler

EPIs são equipamentos fundamentais para garantir a saúde e a segurança dos seus trabalhadores. Afinal, eles protegem contra contaminações e exposição a produtos tóxicos ou a acidentes que podem acontecer no local do trabalho.

No entanto, eles perdem a sua validade ao longo do tempo ou podem ser danificados, o que exige o seu descarte. Ter cuidados na hora de realizar esse processo é essencial para garantir a proteção das pessoas que podem ter contato com esses produtos no futuro, evitando contaminações ou usos indevidos.

Leia o artigo e descubra agora como realizar o descarte adequado de EPIs na sua empresa!

As diferenças entre os EPIs

Antes de entender como descartar um EPI, é importante ter clareza sobre a diferença entre esses equipamentos. Isso porque um respirador, por exemplo, tem características e funções muito diferentes de um capacete. Além disso, cada um deles está exposto a um tipo de contaminação, o que exige cuidados diferentes na hora de descartar.

Sobre esse aspecto, existem três classes de classificação dos EPIs, segundo a norma da ABNT NBR 10004. São elas:

  • classe 1 (resíduos perigosos): são equipamentos contaminados durante seu uso por exposição a riscos químicos, tóxicos ou patógenos que oferecem riscos biológicos à sociedade e de contaminação ao meio ambiente, como EPIs que tiveram, contato com patógenos, por exemplo, vírus e bactérias;  
  • classe 2A (resíduos não inertes): são produtos que, apesar de não oferecerem riscos diretos, podem reagir com o meio ambiente, com características semelhantes àquelas do lixo doméstico;
  • classe 2B (resíduos inertes): são resíduos que não causam contaminação ao meio ambiente ou à sociedade, mas que, ainda assim, devem ser descartados de forma correta, uma vez que não são biodegradáveis.

A forma de fazer o descarte adequado de EPIs

O primeiro passo para fazer o descarte adequado de EPIs é entender qual a classe de cada um deles. Afinal, cada uma dessas categorias exige uma forma de descarte diferente.

Os EPIs de classe 1, ou seja, os mais tóxicos ao meio ambiente e à sociedade, devem ser separados de qualquer outro resíduo. Eles precisam ser identificados como de classe 1 e encaminhados para empresas ou instituições específicas de descarte, capazes de dar o destino final a esses resíduos.

Já os de classe 2 e 3, que não oferecem grandes riscos de contaminação, devem ser encaminhados para aterros, juntamente ao lixo comum da empresa. Outro destino possível é a reciclagem, exigindo a separação do EPI de acordo com o seu material de fabricação e sendo encaminhado para instituições de reciclagem para o aproveitamento da matéria-prima.

A responsabilidade de descartar EPIs de forma correta

Segundo a NR 6, a empresa é a responsável pela gestão do EPI, ou seja, por fornecer o EPI adequado para os colaboradores, assim como para substituí-los quando não estão mais adequados ao uso, seja porque passaram da validade, seja porque se desgastaram. Da mesma forma, a empresa também é responsável pelo descarte adequado desses equipamentos.

Portanto, esteja sempre atento à condição de uso dos seus EPIs, de forma a garantir que eles ofereçam a segurança adequada para os colaboradores. Além disso, na hora de descartar, classifique cada EPI de acordo com as suas características de forma a garantir que eles terão o destino adequado.

E se você gostou do artigo sobre o descarte adequado de EPIs, aproveite para seguir a Delta Plus nas redes sociais e fique sempre por dentro das nossas novidades. Estamos no Facebook, no Twitter e no LinkedIn!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-